07/08/2012 Estádio nacional registra 29° acidente nas obras, diz sindicato

Brasília/DF- O vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção e do Mercado Imobiliário, Raimundo Salvador Braz, disse nesta terça-feira (7) que já foram registrados 29 acidentes nas obras do Estádio Nacional de Brasília desde o início do trabalho - três em 2010, 16 em 2011 e dez neste ano. O local vai sediar jogos da Copa das Confederações, em 2013, e da Copa do Mundo, em 2014.

Por meio da assessoria, o Consórcio Brasília 2014 confirmou o dado e disse que os casos variam dos acidentes leves, 'desde uma martelada no dedo', aos mais graves, 'como o de ontem'.

Segundo os responsáveis pela obra, a construção possui 35 técnicos de segurança do trabalho, dois médicos e quatro engenheiros de segurança. Além disso, o consórcio diz ter recebido um certificado internacional que avalia a higiene, a segurança, os direitos trabalhistas e o respeito à comunidada próxima às obras.

Nesta segunda (6), cinco operários sofreram acidente na construção e foram internados no Hospital de Base - dois já foram liberados. José Amilton Silva Sousa, de 33 anos, e Antônio José Alves, de 27, receberam alta. Francisco Gusmão, de 62, e Silvano Santos Silva, de 36 anos, ainda não haviam recebido alta até às 12h15. Jeferson Neres foi submetido a cirurgia na perna esquerda (veja vídeo).

'Não sei se a palavra certa para definir a ação do consórcio é negligência, mas, diante da quantidade de acidentes, diante da possível falha de algum procedimento, pode, sim, ter havido negligência', disse o vice-presidente do sindicato.

Por meio da assessoria, o consórcio responsável pelas obras informou ao G1 que aguarda o laudo da perícia, realizado pelo Instituto de Criminalística da Polícia Civil, para saber se houve negligência na condução dos trabalhos. O Brasília 2014 informou ainda ter encaminhado ao local técnicos para fazer uma 'avaliação de engenharia' para saber as causas do acidente.

'A gente espera que o número de acidentes seja zero, apesar das características da obra, como a altura. Mas são números que a gente não considera normais. Vinte e nove acidentes, a gente pode dizer, é algo fora dos padrões. A pressa em terminar a obra pode ter contribuído com o número de acidentes. Os prazos para a entrega são pequenos, até mesmo pela proximidade dos eventos. Temos também as jornadas, que são extenuantes, cansativas', disse  Raimundo Salvador Braz.

Em relação ao acidente desta segunda, o vice-presidente do sindicato disse que 'pode ter ocorrido um erro de procedimento'.

'Nós estivemos com a direção do consórcio e eles nos disseram que estão dando toda a assistência às famílias dos operários, disponibilizaram psicólogos e assistentes. Acompanhamos a perícia da Polícia Civil e terá a [perícia] dos fiscais do trabalho', disse.

Morte

O acidente mais grave ocorreu em 11 de junho, quando um operário de 21 anos morreu após cair de altura de aproximadamente 30 metros.

 

Data: 07/08/2012

Fonte: G1 DF

Compartilhe